• Logo-IBCE-B_footer
  • o Instituto Brasileiro de Capoeira-Educação
    (IBCE) é uma preparadora e certificadora, com uma metodologia de qualidade, democrática e gratuita, voltada a profissionais que trabalham ou desejam trabalhar com Capoeira-Educação.
  • Contatos:
    Rua Assis Brasil 57/901
    Copacabana - cep: 22030-010
    Rio de Janeiro - RJ - Brasil
    Tel: +55 21 992 739 360
    Email: [email protected]
    Web: capoeiraibce.com.br
  • Newsletter


  • EVENTOS FEMININOS EM CAPOEIRA: Concorda ou (SEM)corda?

    EVENTOS FEMININOS EM CAPOEIRA: Concorda ou (SEM)corda?

    Diversas são as situações que nos convocam a aprofundarmos na reflexão sobre a atuação de homens e mulheres no âmbito da capoeira, considerando toda a lógica patriarcal que, invariavelmente, sufoca a atuação social de todas as pessoas em seu fazer cotidiano, enquadrando todos os padrões pré-estabelecidos para os mais variados comportamentos. Desta forma, tentaremos discorrer sobre algumas situações que tem emergido da realização de eventos femininos em Capoeira.

    Ao longo dos anos, mulheres vem sofrendo com o cerceamento ou a subvalorização de seu potencial, sejam eles, na prática cotidiana, quando dos espaços em que ela é privada de exercício de sua cidadania, ou no microcenário da capoeira, sendo seu fazer condicionado a uma concessão do homem ou como estratégia de marketing… como por exemplo quando ofertam tempo no evento somente para mulheres jogarem entre si; quando sempre convidam alunos mais novos para ministrarem aulas, tendo uma mulher mais antiga e capacitada no mesmo espaço; quando revistas de capoeira expõem um símbolo sexual nacional da época “vestida” de capoeira (Tiazinha); ou quando, antigamente, alguns homens faziam rodas só com mulheres para atrair o público masculino.

    Como entender estas ações? o que as motiva? Nos casos apresentados acredito que ao fazê-lo, o homem, que historicamente estrutura as ações em capoeira, pode estar tentando produzir um espaço de mediação para que mulheres “tomem coragem” e vão se empoderando, ou seja, uma estratégia positiva para a equidade, mas também, possivelmente, por trás destas ações, pode haver um exercício de “poder ou olhar patriarcal” em que o mesmo diz o “como será feito!” porque a mulher sozinha não conseguiria, sem contar os diversos processos de expressão da objetificação da mulher, entendida como produto de marketing.

    Bibinha e Gugu Quilombola, conquistam título do Red Bull Paranauê Capoeira 2

    Bibinha e Gugu Quilombola, conquistam título do Red Bull Paranauê Capoeira

    Analisando esta realidade, com o tempo percebemos que a mesma estratégia de “mediação” passa a produzir um efeito contrário ou difuso, ainda que a intenção não me pareça a mesma, pois se antes uma pequena parte do evento era destinada ao desfrute exclusivo de mulheres, agora os eventos passam a ser somente produzido pelas/para as mesmas… Neste sentido, são perceptíveis os efeitos de propagação destes encontros exclusivos, que nascem talvez, por uma demanda reprimida de lugares de protagonismo feminino na capoeira.

    É problema? Eventos femininos são negativos? Não… Absolutamente!… Desde que sejam entendidos como processos de mediação para a construção da tão sonhada equidade entre homens e mulheres, ou seja, SE estes processos promoverem ou forem defensores de espaços de exclusão do homem, não servirão ao propósito de garantir a mulher a tão desejada condição de estar em rodas de capoeira em paridade social… Sempre entendi estes eventos como preparatórios para que mulheres e homens pudessem, por exemplo, compor uma charanga da regional ou uma bateria de angola, tocando com a firmeza e respeitabilidade que a cultura popular merece.

    É preciso refletir sobre os (des)caminhos que, porventura, os eventos possam estar tomando, considerando “SE” estes eventos estão de fato construindo um caminho de conhecimento, que harmonize as relações e o trato com os homens em nossas rodas de capoeira…? Se não está a serviço da construção de lugares APENAS para trato com dores, rancores e mazelas do machismo estrutural que nos assola?… Fato concreto é que precisamos observar que é importante o trato destas questões femininas e sociais, sem no entanto, deixar de trazer o foco para o elemento comum que nos une, a capoeira!

    A negação das reflexões acima poderá nos levar há um lugar perigoso, chamado de sexismo ou discriminação de gênero, que segundo sua definição é um juízo de valor pré-estabelecido ou discriminação baseada na condição de gênero ou sexo de uma pessoa, no qual mulheres são mais prejudicadas, portanto, mais do que a realização dos eventos em si, é preciso pensar a serviço “de quem e de que” o mesmo se estrutura?

    Então? Uma sugestão… Que tal valorizar mais ainda a transição de eventos femininos de capoeira por EVENTOS DE CAPOEIRA COM PROTAGONISMO DO FEMININO? Assim, acredito ser possível redimensionar a estrutura social desigual para mulheres a partir do exemplo VIVO que brota das mãos de tantas Dandaras, Márcias, Nzingas, Paulas, Marias, Estelas da nossa arte…

     

    Axé!

     

    Por: Mestra Brisa e Mestre Jean Pangolin

    O conteúdo EVENTOS FEMININOS EM CAPOEIRA: Concorda ou (SEM)corda? aparece primeiro em Portal Capoeira.

    Share

    O Instituto Brasileiro de Capoeira-Educação (IBCE) é uma preparadora e certificadora, com uma metodologia de qualidade, democrática e gratuita, voltada a profissionais que trabalham ou desejam trabalhar com Capoeira-Educação.

    Recommended Posts

    Carrinho de Compra
    Seu carrinho está vazio =(
    Subtotal
    R$0,00
    Total
    R$0,00
    Continuar comprando
    0